Ambiente

Governo do Camboja proíbe o uso veterinário do diclofenac para salvar abutres

Medicamento, utilizado como anti-inflamatório e analgésico, é prejudicial às aves necrófagas. Parlamento português chumbou este ano medida semelhante
Bichos
Camboja proíbe medicamento que prejudica abutres
Camboja proíbe medicamento que prejudica abutres
A população de abutres de Camboja, que chegou a ser a maior do mundo, está reduzida a 120 indivíduos (Free Photos/Pixabay)

O governo do Camboja proibiu o uso veterinário do diclofenac, um medicamento utilizado como anti-inflamatório e analgésico que tem um impacto negativo nas aves necrófagas. A decisão visa proteger a população de abutres do país, que está em risco de extinção, de acordo com a associação Bird Life.

 

“Embora o dcofenac seja inofensivo para o gado e outros animais, provoca a morte dos abutres que se alimentam das carcaças dos animais previamente tratados com esta droga”, explica Júlia Stenkat, médica veterinária do Centro para a Conservação da Biodiversidade de Angkor.

 

Todas as espécies de abutres existentes no Camboja estão protegidas por lei. A medida agora aprovada visa reduzir o risco acidental de envenenamento, embora continue a existir o perigo de intoxicação por outras substâncias químicas.

 

Em Portugal, o Parlamento chumbou, em Janeiro deste ano, duas propostas de lei dos partidos PAN – Pessoas Animais Natureza e Ecologista Os Verdes (PEV) no mesmo sentido. Os documentos receberam os votos contra do PS, do PSD e do CDS-PP.

 

Na Índia, a utilização deste medicamento reduziu em 99% a população de abutres do país, que chegou a ser a maior do mundo (com milhões de elementos). Por esse motivo, em 2006, foi substituído pelo meloxicam. Desde então, há evidências de que a população de abutres está a recuperar.

 

Segundo o Grupo de Trabalho do Abutre do Camboja, um conjunto de Organizações Não Governamentais criada em 2004, o censo nacional realizado este ano contabilizou 120 destas aves necrófagas em todo o país. O envenenamento e a perda de habitat natural são as principais ameaças à conservação da espécie.