Biodiversidade

Girafa-masai em risco de extinção

A caça ilegal e a alteração do uso da terra são as principais causas para a classificação desta espécie, pela IUCN, como estando em perigo
Bichos
A girafa-masai pode ser encontrada no Quénia e Tanzânia
A girafa-masai pode ser encontrada no Quénia e Tanzânia
Estima-se que existam 55 000 girafas-masai no seu habitat natural (foto: sprinter1973/Pixabay)

A girafa-masai (Giraffa tippelskirchi), uma sub-espécie originária do Quénia e da Tanzânia, foi esta quinta-feira declarada em perigo pela União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN, sigla em inglês). As principais causas para o risco de extinção são a caça ilegal e as alterações no uso da terra.

 

Estima-se que existam em liberdade cerca de 55 000 mil girafas-masai, embora o seu número tenha caído para metade nas últimas três décadas. De acordo com a National Geographic, em África, a população de girafas sofreu uma redução de 40% no mesmo período de tempo.

 

Tanya Sanerib, responsável jurídica internacional do Centro para a Diversidade Biológica, as girafas-masai são um ícone. Por isso, a sua classificação como estando em perigo é uma chamada de alerta. “Esta é uma notícia devastadora. Significa que temos de fazer mais pelas girafas a nível internacional”, acrescentou.

 

A caça de girafas é ilegal tanto no Quénia como na Tanzânia. Contudo, a grande procura pela sua pele, ossos e cauda faz com que sejam vítimas de caçadores ilegais. Em algumas zonas, acredita-se que a medula óssea e o cérebro destes animais podem curar o VIH/Sida. Anualmente, serão mortas clandestinamente entre 2% a 10% da população de girafas que vive no Parque Nacional Serengueti, na Tanzânia, de acordo com a IUCN. A sua carne é também muito apreciada.

 

O aumento do número de mortes deve-se também à expansão dos aglomerados urbanos para zonas originariamente ocupadas por estes animais. Esta ocupação tem levado a um incremento de incidentes entre animais e seres humanos, nomeadamente devastação de colheitas e ataques a veículos.

 

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.