Tragédia

Norueguesa morre de raiva depois de ter sido mordida por cão que resgatou nas Filipinas

Birgitte Kallestad, de 24 anos, morreu na semana passada após dois meses internada nos cuidados intensivos do hospital onde trabalhava. Nem ela nem os amigos com quem passou férias estavam vacinados contra a raiva
Bichos
Jovem norueguesa mordida por cão nas Filipinas
Jovem norueguesa mordida por cão nas Filipinas
Enquanto brincavam com o cão, Birgitte e os amigos sofreram alguns arranhões e mordidas (foto: Pixabay)

Uma jovem norueguesa morreu na semana passada, vítima de raiva, depois de ter sido mordida por um cachorro que encontrou numa estrada das Filipinas, onde esteve de férias em Fevereiro com um grupo de amigos.

 

Birgitte Kallestad, de 24 anos, e os amigos encontraram um cão abandonado na beira de uma estrada, contou a família numa declaração divulgada pela imprensa internacional. A jovem decidiu colocá-lo na mochila e levá-lo para o resort onde estavam instalados. Ali, deram-lhe banho e limparam-no. Depois, começaram a brincar com ele. Foi durante as brincadeiras que todos sofreram alguns arranhões e pequenas mordidas.

 

Nenhum dos jovens estava inoculado contra a raiva, uma vez que a vacina só é obrigatória para quem viaja para zonas das Filipinas onde as condições higio-sanitárias são deficientes.

 

Ainda segundo a família, foi a própria Birgitte, que trabalhava num hospital, quem esterilizou e pensou as feridas. Por serem tão pequenas, nenhum dos amigos pensou em procurar um médico.

 

Só depois de regressar a casa é que a jovem se começou a sentir mal. Segundo o Daily Mail, os primeiros sintomas da doença são a febre e dores de cabeça. À medida que a doença se agrava, surge as alucinações, os espasmos musculares e as dificuldades respiratórias. Numa fase inicial, nem os médicos nem a própria Birgitte associaram os sintomas às mordidas do cão.

 

Doença infecciosa

Após vários internamentos, um médico do hospital em Forde colocou a hipótese de se tratar de raiva, doença erradicada há mais de 200 anos da Noruega. Análise realizadas pela Autoridade Nacional da Saúde confirmaram as suspeitas.

 

Os amigos que viajaram com Birgitte foram, entretanto, vacinados, assim como 31 das 77 pessoas que nestes dois meses estiveram em contacto com a jovem que agora morreu.

 

Recorde-se que em Novembro, como o jornal Os Bichos noticiou, uma turista britânica morreu da mesma doença depois de ter sido mordida por um gato de rua em Marrocos. De acordo com a Organização Mundial da Saúde, anualmente, morrem pelo menos 59 000 pessoas em todo o mundo vítimas desta doença infecciosa. A maioria das vítimas (99%) concentra-se na Ásia, África e América do Sul.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.