Crime

Treze macacos morreram envenenados em cidade sul-africana

Animais terão comido pão contaminado com um insecticida poderoso. Ao todo, terão sido envenenados 22 macacos. Dois correm ainda risco de vida
Bichos
Macacos terão comido pão envenenado
Macacos terão comido pão envenenado
Veneno utilizado para matar os macacos é mais poderoso do que o arsénio (foto: Monkey Helpline/Facebook)

Treze macacos morreram este fim-de-semana na cidade sul-africana de Umdloti (a norte de Durban), depois de terem comido pão misturado com um forte insecticida. Há ainda a registar a morte de um cão, que comeu o vomitado de um dos macacos. Ao todo, terão sido envenenados pelo menos 22 macacos. Dos sobreviventes, dois correm ainda risco de vida.

 

Activistas dos direitos dos animais estão a oferecer uma recompensa de 40 000 rands (cerca de 2500 euros) por qualquer informação que permita identificar o responsável por este crime. Um detective privado anunciou esta segunda-feira que identificou uma testemunha e um suspeito, segundo o jornal North Coast Courier.

 

O alerta foi dado no sábado por uma habitante depois de ter encontrado um pequeno macaco deitado no seu quintal. Ao princípio, pensava que o animal tinha sido atacado por cães, mas a realidade é outra. A mulher contactou a Monkey Helpline, uma organização que desde 1995 resgata primatas em perigo, e um voluntário deslocou-se a sua casa.

 

“Ele contou-nos que havia macacos simplesmente a caírem das árvores”, disse ao website IOL Carol Booth, da Monkey Helpline. A associação colocou um aviso na sua página no Facebook e rapidamente vários moradores se prontificaram a ajudar a salvar os animais.

 

Ao jornal Times Live, o fundador da Monkey Helpline, Steve Smit, contou o cenário de horror que encontrou quando se deslocou à casa. “Havia macacos espalhados por todo o chão, a espumar, e outros em cima das árvores, com convulsões”, recordou. De acordo com o mesmo responsável, esta é a maior matança a que já assistiu em 24 anos.

 

 

Comunidade devastada

Os animais foram transportados a várias clínicas veterinárias, mas 13 acabaram por morrer. Steve Smit tem esperança de que os restantes recuperem e possam ser devolvidos ao seu habitat natural.

 

Carol Booth referiu que na zona foram encontrados restos de pão. Há a suspeita de que alguém o terá contaminado com Aldicarb, um veneno mais poderoso do que o arsénio. “A maioria dos macacos que morreu eram fêmeas adultas, reprodutoras. Todo o grupo vai sofrer com esta devastação”, sublinhou.

 

Na zona, vivia um grupo de cerca de 38 macacos. “Os macacos mortos estavam familiarizados com o seu território. Restam quase só macacos jovens e bebés”, acrescentou Steve Smit, referindo que demorará muito tempo até que esta comunidade recupere.

 

O responsável pelo crime ainda não foi identificado. Carol Booth considera que enquanto isso não acontecer, todos os animais da região estão em perigo.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.