Ameaça

O pangolim é o mamífero selvagem mais traficado do mundo

Na última década, terão sido caçados cerca de um milhão de pangolins. Medicina tradicional chinesa acredita que a carne e o sangue destes animais têm poderes curativos e afrodisíacos
Bichos
O pangolim é o mamífero selvagem mais traficado do mundo
O pangolim é o mamífero selvagem mais traficado do mundo
Um pangolim come cerca de 70 milhões de insectos por ano, principalmente formigas e térmitas (foto: David Brossard/WikiCommons)

Cerca de um milhão de pangolins (Manis spp.) terão sido caçados na última década, embora o seu comércio seja proibido internacionalmente. De acordo com a Traffic, uma organização não governamental (ONG) que monitoriza a flora e a fauna selvagens, este é o mamífero silvestre mais traficado do mundo.

 

Todos os anos, perto de 20 toneladas de pangolins ou partes do seu corpo (sobretudo, as escamas de queratina) são comercializadas em todo o mundo. Os principais mercados são o Vietname, a China e Hong Kong, territórios onde a sua carne é muito apreciada. O tráfico deve-se também à crença nos seus poderes curativos. A medicina tradicional chinesa acredita de que o consumo destes animais ajuda a tratar a ressaca, a curar doenças do fígado ou problemas reprodutivos femininos, e que o seu sangue fresco é afrodisíaco.

 

O pangolim é o único mamífero cujo corpo é coberto de escamas. Alimentam-se sobretudo de formigas e de térmitas, que recolhem utilizando a sua língua comprida e pegajosa. Segundo o jornal The Hymalayan Times, um destes animais come anualmente cerca de 70 milhões de insectos. São animais muito tímidos e activos durante a noite. Passam o dia enrolados nas tocas eu eles próprios escavam com as suas garras grandes e alongadas.

 

Existem oito espécies de pangolins, quatro em África e outras tantas na Ásia. Todas estão protegidas pela CITES – Convenção sobre o Comércio Internacional das Espécies da Fauna e da Flora Silvestres Ameaçadas de Extinção. E todas fazem parte do Livro Vermelho de Espécies Ameaçadas da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN, sigla em inglês).

 

Desde há 9 anos, celebra-se o Dia Mundial do Pangolim no terceiro sábado de Fevereiro. A data pretende alertar para a necessidade de tomada de medidas de protecção destes mamíferos.