Insólito

Americano registou jacaré como animal de apoio emocional

Joie Henney diz que Wally, que tem três anos de idade, tem um efeito calmante nas pessoas e garante que nunca mordeu
Bichos
Muitos americanos têm jacarés como animais de estimação
Muitos americanos têm jacarés como animais de estimação
Nos EUA, há muitos cidadãos que têm jacarés como animais de estimação (foto: Hans/Pixabay)

Um homem residente no estado americano da Pensilvânia registou um jacaré como animal de apoio emocional.

 

Joie Henney, de 65 anos de idade, tem dois jacarés Wally e Scrappy, que passam a maior parte do tempo dentro de um tanque com mais de 1000 litros de água construído na sala de estar.

 

Em Dezembro, Joie decidiu registar Wally como animal de apoio emocional. O réptil, que tem três anos de idade e 1,3 metros de comprimento, está com ele desde Setembro de 2015.

 

Foi-lhe oferecido por um amigo que tenta arranjar uma nova casa para jacarés que são rejeitados pelos donos, contou ao jornal York Daily Record. Na altura, Wally tinha 14 meses de idade.

 

No início, o jacaré tinha medo de tudo e foi preciso ensiná-lo a comportar-se, tal como um cão ou um gato. Joie pegava nele e tentava acalmá-lo, quando ele estava mais amedrontado.

 

Alguns meses depois, Wally já estava domesticado. «Era como um cachorrinho. Seguia-nos por toda a casa», recorda.

 

Joie diz que Wally gosta de se esconder nos armários, derrubar os caixotes do lixo, ver televisão e deitar-se no sofá e na cama. Nunca mordeu ninguém e tem medo de gatos.

 

«Ele é como um cão. Só quer ser amado e estimado», assegura Joie Henney, sublinhando, no entanto, que Wally continua a ser um animal selvagem.

 

 

Efeito calmante

Os dois visitam frequentemente escolas e centros de dia para sensibilizar as pessoas para as ameaças que existem sobre esta espécie, nomeadamente a destruição do seu habitat natural.

 

Ao princípio, Wally assustava-se bastante. Agora, diz o dono, gosta que o acariciem na parte de cima da cabeça e até fecha os olhos quando o fazem, como se fosse um cão.

 

Joie diz que Wally tem um efeito calmante nas pessoas. Como os animais de apoio emocional (ao contrário dos animais de serviço) não precisam de um treino específico, Joie decidiu registá-lo.

 

Desde então, Wally pode entrar em todos os locais. Até agora, Joie só teve problemas em restaurantes, cujos donos argumentam que o jacaré transporta salmonela e, por isso, recusam a sua entrada.

 

Sempre que faz uma apresentação em público, Joie tem o cuidado de sublinhar que os jacarés não são os melhores animais de estimação para se terem. Wally é a excepção, afirma.

 

«São animais selvagens e se a pessoa que está a lidar com eles não souber como fazê-lo, pode magoar-se seriamente», avisa.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.