Polémica

Tribunal alemão autoriza continuação do chimpanzé Robby no circo

Activistas dos direitos dos animais defendem a sua transferência para um santuário. Tribunal de Lüneburg considerou que a mudança seria prejudicial nesta fase da sua vida
Bichos
Chimpanzé Robby continua no Circo Belly
Chimpanzé Robby continua no Circo Belly
Robby nasceu num jardim zoológico, mas vive no Circo Belly desde tenra idade. Terá mais de 40 anos (foto: Circus Belly/Facebook)

Um tribunal superior da Baixa Saxónia, na Alemanha, deu razão ao proprietário de um circo que pretende manter na companhia o chimpanzé Robby. Termina assim um processo legal que se arrastava desde 2015 e que opunha activistas dos direitos dos animais a Klaus Köhler.

Robby, que terá mais de 40 anos de idade, nasceu num jardim zoológico, mas viveu a maior parte da sua vida no Circo Belly. Em 2011, a organização Pessoas Pelo Tratamento Ético dos Animais (PETA, sigla em inglês) lançou a campanha «Salvem Robby».

A associação denunciava que o chimpanzé vivia em «condições horríveis» numa carruagem do circo, recorda a BBC. «O animal tem uma vida triste e nunca teve a companhia de parceiros da mesma espécie», argumentava a PETA.

Vários grupos de defesa dos direitos dos animais defendem que Robby deveria ser transferido para um santuário, onde poderia conviver com outros chimpanzés. Em 2015, um tribunal decidiu a favor da sua libertação, mas Klaus Köhler recorreu. E ganhou o recurso na semana passada.

 

Circo recorreu

O tribunal de Lüneburg concordou com os argumentos do empresário. Klaus Köhler defendeu que colocar Robby num santuário animal seria ditar a sua sentença de morte. O juiz entendeu que nesta fase da sua vida, essa decisão seria contraproducente.

Os chimpanzés vivem, em média, 40 anos no seu habitat natural e mais de 50 anos se em cativeiro. Segundo a BBC, Robby será o último chimpanzé a viver num circo alemão.

«Estou feliz por poder manter o meu filho», disse o director do Circo Belly, de 70 anos de idade. «Robby é o meu sétimo filho e pertence à família».

Os defensores dos direitos dos animais estão desiludidos com a decisão do tribunal e pedem que sejam proibidos os animais em circos em toda a Alemanha.

 

Distúrbios de personalidade

Pierre Grothmann, especialista em vida animal e uma testemunha-chave no processo judicial, explicou ao tribunal que o facto de Robby ter sido levado para o circo muito novo e não ter tido contacto com outros chimpanzés prejudicou o desenvolvimento da sua personalidade.

O director do Circo Belly, por seu turno, explica que a família passa cerca de quatro horas por dia com Robby e que este tem uma personalidade com «características humanas».

O tribunal de Lüneberg considerou que a instância judicial inferior não valorizou o impacto que teria a transferência de Robby para um santuário animal nesta fase da sua vida.

Embora o chimpanzé sofra de distúrbios da personalidade, este tribunal considera que a sua continuação no circo é menos prejudicial.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.