Biodiversidade

Zoo de Lisboa alerta para a urgente necessidade de proteger os pinguins

Este sábado, é o Dia da Salvaguarda do Pinguim. A pesca excessiva e a destruição do habitat são duas das principais actividades humanas que ameaçam esta espécie
Bichos
No Zoo de Lisboa vivem vários casais de pinguins-do-cabo, espécie em perigo desde 2010 (foto: Jardim Zoológico de Lisboa)

O Jardim Zoológico de Lisboa alerta para a urgente necessidade de serem tomadas medidas de protecção dos pinguins. Este sábado, assinala-se o Dia da Salvaguarda do Pinguim.

Entre as principais ameaças a esta espécie estão a pesca excessiva, as alterações climáticas e a destruição dos seus habitats, principalmente devido a derrames de petróleo.

Os pinguins alimentam-se exclusivamente de peixes, cujas populações são escassas em muitas das regiões onde vivem. Muitas crias acabam por morrer porque os pais precisam de nadar para zonas mais longínquas à procura de comida.

Embora sejam ilegais a caça e a retirada os ovos dos ninhos, em muitas zonas, esta é também uma grande ameaça à sobrevivência da espécie.

No mundo, existem 18 espécies de pinguins, sendo que apenas uma habita acima da linha do Equador.

 

Programa de repodução

No Zoo de Lisboa vive o pinguim-do-cabo (Spheniscus demersus), o único que existe na zona temperada do continente africano. Esta espécie é, desde 2010, considerada «em perigo» pela União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN, sigla em inglês). No parque, existem vários casais desta espécie, que habitualmente fazem duas posturas por ano.

O Jardim Zoológico participa no Programa Europeu de Reprodução desta espécie, que através do enriquecimento ambiental tem tido bons resultados no que diz respeito à reprodução. No âmbito deste programa, os animais são estimulados a vários níveis (alimentar, social, sensorial, ocupacional e físico).

São-lhes ainda facultados diferentes materiais para a construção do ninho (areia, pedras, ramos), «proporcionando condições favoráveis à reprodução da espécie», explica o Zoo de Lisboa num comunicado.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.