Polémica

Associação acusa Câmara de Gondomar de não cumprir Orçamento Participativo de 2017

Projecto apresentado pela presidente da Animais da Quinta, que propunha a construção de um novo abrigo, venceu com mais de 700 votos. Autarquia diz que será construído um abrigo municipal em Covelo
Bichos
Associação Animais da Quinta em Gondomar
Associação Animais da Quinta em Gondomar
Projecto vencedor do Orçamento Participativo previa a construção de boxes para 150 animais (foto: Associação Animais da Quinta)

A Associação Animais da Quinta acusa a Câmara de Gondomar de não respeitar os resultados do Orçamento Participativo de 2017. A proposta apresentada pela então vice-presidente, Iryna Lehka, contemplava a construção de um novo abrigo para a associação. O projecto venceu com mais de 700 votos, mas um ano depois, a obra ainda não avançou.

Ao jornal Os Bichos, a vice-presidente Joana Santos refere que a situação está a prejudicar a associação. «Notamos uma quebra muito grande nos donativos em dinheiro porque as pessoas pensam que recebemos 150 mil euros da Câmara, o que não é verdade», esclarece. «E perguntam-nos porque é que o projecto não avança».

Questionada a Câmara de Gondomar, foi-nos respondido que «nenhuma associação, enquanto tal, se pode candidatar ao OP de Gondomar, já que este é dirigido aos cidadãos. Por isso, a Associação Animais da Quinta não venceu o OP17. A proposta em causa teve um primeiro proponente, foi validada, colocada em votação e obteve a maioria dos votos».

Num ofício que a autarquia enviou à associação no dia 26 de Outubro é referido que «a(s) proposta(s) apresentada(s) e votada(s) têm que ser obra pública que o município assume e integra no seu instrumento de gestão previsional de recursos e obras municipais a efectuar».

Ao jornal Os Bichos, foi ainda garantido que a autarquia irá construir um abrigo municipal em Covelo, num terreno servido pela rede de abastecimento de água, saneamento e electricidade. A propriedade é privada, estando a câmara em conversações com o proprietário (que reside no Brasil) com vista à cedência do terreno.

Na mesma resposta,  a Câmara de Gondomar refere que o projecto contempla a construção de dois edifícios: «um de carácter municipal, de recolha e tratamento de animais, outro com uma clínica veterinária, sala de quarentena, enfermaria, armazéns e outras valências».

Associação Animais da Quinta em Gondomar
Câmara assegura que será construído um abrigo municipal na localidade de Covelo (Foto: Associação Animais da Quinta)
150 mil euros

A proposta apresentada pela então-vice-presidente da Associação Animais da Quinta previa a construção de um novo abrigo com capacidade para 150 animais (ver fotografias).

Contemplava ainda a construção de um consultório médico-veterinário, sala de actos médico-veterinários, maternidade, sala de armazenamento com arca frigorífica, crematório, armazém, sala de higienização e ala de quarentena.

O projecto incluía ainda um parque e uma área verde na qual pudessem ser realizadas actividades ao ar livre com os cães, como aulas de comportamento e de treino animal, ou receber visitas de professores e estudantes.

Toda a obra foi orçada em 150 mil euros.

 

Abrigo sem água, nem luz

A Associação Animais da Quinta foi fundada há 13 anos. O abrigo está instalado na localidade de Covelo desde 2008 e tem capacidade para 30 cães. Segundo Joana Santos, foi construído há cerca de 11 anos por voluntários num terreno cedido gratuitamente, onde não existe água nem energia eléctrica.

«A água para as lavagens é retirada do rio. A potável, vamos buscá-la todos os fins-de-semana a uma fonte na Maia», explica a mesma responsável.

O equipamento tem espaços cobertos e não cobertos, além de um relvado onde os animais brincam todos os dias. «Pode estar a chover muito, ou a nevar, que os nossos animais não ficam sem acompanhamento diário», assegura Joana Santos.

Devido à proximidade com o rio, o abrigo já foi atingido por três cheias. «Tivemos que pedir ajuda aos bombeiros porque a água já estava a chegar às boxes», recorda a vice-presidente da associação, acrescentando que temem também ser atingidos por fogos florestais.

Associação Animais da Quinta em Gondomar
A associação gostaria de ter um parque onde pudesse receber professores e alunos (foto: Associação Animais da Quinta)
Animais em quarentena

Nenhum cão entra no abrigo sem passar por um período de quarentena em casa de voluntários, de famílias de acolhimento temporário ou em clínicas veterinárias. «Não podemos colocar em risco os nossos animais. Temos que despistar a existência de quaisquer doenças», afirma Joana Santos.

Antes de um cão ser adoptado, a família é entrevistada pelos responsáveis da associação, que vão visitar a futura casa do animal.

«Tentamos sempre ajustar o cão ao perfil da família. Não faz sentido, por exemplo, deixar uma pessoa idosa, com dificuldade de mobilidade, adoptar um cão que requeira muito exercício. Mesmo assim, temos animais devolvidos», lamenta a vice-presidente.

A Animais da Quinta tem actualmente 20 padrinhos e 87 sócios, que são quem socorre a associação «nas situações de emergência», sublinha a mesma responsável.

 

Nota: Notícia corrigida às 21.55 horas do dia 4 de Novembro de 2018. Alterações: Iryna Lehka era então vice-presidente e a proposta venceu com mais de 700 votos.

Notícia corrigida às 15.05 horas do dia 5 de Novembro de 2018. Ao contrário do que foi inicialmente dito pela actual vice-presidente ao jornal Os Bichos, o terreno onde funciona o abrigo da associação foi cedido gratuitamente.

2 Comentários
  1. MARLENE BARBOSA 1 semana atrás
    Responder

    Só para informar que a Iryna não era nem nunca foi presidente da AAQ, era vice presidente. Foi ela a submeter o projecto só e apenas porque não podia ser submetido por pessoa colectiva e além disso tinha que ser residente em Gondomar.
    O nº de votos também está errado, foi a maior votação de sempre no OP e teve mais de 700 votos.

    • Fátima Mariano
      Fátima Mariano 1 semana atrás
      Responder

      Obrigada pela chamada de atenção. Eram as informações que tínhamos, mas vamos proceder à sua correcção.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.