Invenção

Cientistas descobriram uma mistura que permite prolongar a vida dos animais

Experiências realizadas com vermes e moscas-da-fruta resultaram no retardamento do envelhecimento e num aumento do tempo de vida útil destes animais
Bichos
Prolongar a vida dos animais
Prolongar a vida dos animais
Durante a experiência, o tempo médio de vida da mosca da fruta quase duplicou (foto: Pexels/Pixabay)

Ainda não será o elixir da vida eterna, mas é um avanço nos métodos de prolongamento do tempo de vida nos animais. Uma equipa de cientistas descobriu uma combinação de drogas farmacêuticas que não só permite o aumento da expectativa de vida saudável em vermes, como também atrasa o seu envelhecimento.

O estudo, liderado por Jan Gruber, da Faculdade de Yale-NUS, foi publicado no início deste mês na revista científica Developmental Cell. A descoberta poderá, no futuro, contribuir para combater os problemas associados ao envelhecimento das populações que muitos países estão a enfrentar, entre os quais, Portugal.

“Se pudermos encontrar uma forma de prolongar a vida saudável e retardar o envelhecimento das pessoas, podemos neutralizar os efeitos prejudiciais do envelhecimento da população, providenciando aos países não apenas benefícios médicos e económicos, mas também uma melhor qualidade de vida dos seus cidadãos”, afirmou Jan Gruber num comunicado de imprensa emitido pela universidade.

O objectivo da pesquisa era perceber de que forma as drogas administradas em determinadas situações poderiam interferir com a expectativa de vida saudável. Os cientistas já sabiam, por exemplo, que a rapamicina (utilizada após o transplante de órgãos para evitar que estes sejam rejeitados pelo sistema imunológico do corpo receptor) prolonga a vida útil de muitos organismos, incluindo o verme microscópico Caenorhabditis elegans, a mosca-da-fruta e os ratos.

 

Elixir da vida eterna?

Durante a pesquisa, Jan Gruber e a sua equipa administraram combinações de dois ou três compostos nos vermes. Os resultados mostraram que dois dos pares de drogas prolongaram o tempo de vida útil dos vermes mais do que quando administradas individualmente. Quando foi acrescentado um terceiro compostos, o tempo médio de vida quase duplicou. Os medicamentos não tiveram qualquer efeito adverso na saúde dos animais.

Uma experiência similar foi feita com uma espécie de mosca-da-fruta (Drosophila melanogaster). Quando tratada com uma determinada mistura de drogas, também viveu durante mais tempo. O facto de se tratarem de dois organismos evolutivamente distintos aumenta as probabilidades de o mesmo poder acontecer com os seres humanos.

Os próximos passos serão no sentido de determinar quais os mecanismos biológicos e moleculares que interagem com as drogas e que permitem retardar o envelhecimento e aumentar o tempo de vida útil. O objectivo final será desenvolver um medicamento suficientemente seguro para retardar o envelhecimento humano e aumentar o tempo de vida útil, ou seja, sem doenças associadas à idade, como a artrite, as doenças cardiovasculares ou de Alzheimer.

A investigação foi desenvolvida pela equipa de Jan Gruber, professor de Bioquímica na Faculdade de Yale-NUS e na Escola de Medicina Yong Loo Lin da Universidade Nacional de Singapura (NUS, sigla em inglês), em colaboração com cientistas da Singapore Lipidomics Incubator do Instituto de Ciências da Vida da NUS.

 

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.