Inverno

Como proteger o seu animal de estimação do frio

Com a descida das temperaturas e a intensificação do vento a partir de sexta-feira, deverá redobrar os cuidados com o seu animal. Deixamos-lhe alguns conselhos
Bichos
Como proteger os animais do frio

Como proteger os animais do frio

A partir de sexta-feira à tarde, o estado do tempo em Portugal irá mudar, prevendo-se uma descida significativa das temperaturas mínima e máxima, intensificação do vento e até neve em algumas regiões do país. A chegada do tempo frio obriga a algumas mudanças de rotina para proteger os animais de estimação.

Lembre-se que tendo os cães e os gatos mais ou menos pêlo, eles também sentem frio, podem sofrer queimaduras causadas pelo gelo ou pela neve, hipotermia (descida da temperatura corporal) ou infecções respiratórias.

Neste artigo, deixamos-lhe alguns conselhos:

Limite o tempo de permanência no exterior. Mesmo que o cão ou o gato estejam habituados a andar livremente no exterior da casa, em situações de agravamento da condição atmosférica, deve ter o cuidado de os manter no interior, num local quente e seco. O mesmo relativamente a gaiolas que estejam em jardins ou varandas, principalmente se instaladas em locais expostos à chuva e ao vento. Retire-as para um local abrigado ou, se as mantiver no exterior, não se esqueça de as cobrir durante a noite.

Reduza o tempo dos passeios. Se o seu cão precisa de ser passeado, assegure-se que ele vai à rua agasalhado (poderá vestir-lhe um casaco próprio). Principalmente, se se trata de um animal de pêlo curto, juvenis, idosos ou com o estado de saúde debilitado. Não deixe de o passear (excepto se a chuva e/ou o vento forem mesmo muito intensos), mas reduza o tempo de permanência no exterior. Ao chegar a casa, retire-lhe o casaco, limpe-lhe as patas e seque-lhe o corpo com uma toalha (tenha especial atenção à zona entre os dedos e à barriga).

Atenção às casotas. Se o seu cão vive permanente no exterior da casa, certifique-se que a casota está num local o mais protegido possível do vento e da chuva. Assegure-se que não tem goteiras e reforce a protecção do pavimento, de modo a evitar que ele durma num chão frio e húmido. O ideal é que a entrada da casota tenha também uma protecção contra as intempéries. Os recipientes da água e da comida deverão também estar resguardados.

Como proteger os animais do frio

Evite os banhos e as tosquias. O pêlo ajuda a proteger do frio e, no inverno, demora mais tempo a secar. Além disso, o excesso de lavagem elimina os óleos naturais que protegem a pele, que pode ficar seca e escamosa. Por isso, reduza o número de banhos nesta época, mas reforce as escovagens. São também de evitar as tosquias, mas tenha o cuidado de aparar os pêlos entre os dedos para evitar a acumulação de gelo ou de neve (se viver numa zona onde se façam sentir), ou mesmo de sal ou produtos químicos utilizados para descongelar as estradas.

– Não deixe o seu animal no carro por períodos prolongados. Da mesma forma que não o deve fazer no verão quando as temperaturas estão muito elevadas. Por outro lado, lembre-se de que os gatos errantes muitas vezes gostam de procurar abrigo nos pneus ou nos motores do carro. Antes de colocar o seu a trabalhar, buzine ou bata no capô para evitar acidentes.

Cuidado com os aquecedores, lareiras e outras fontes de calor. Evite que o seu animal se aproxime muito, pois pode sofrer queimaduras graves.

Não se esqueça da água e da comida. Embora os cães e os gatos fiquem menos activos durante o inverno, a verdade é que tal como nós, eles queimam mais calorias para regularem a temperatura corporal. Aconselhe-se com o médico veterinário sobre a qualidade e a quantidade de comida que deve ser fornecida no inverno e certifique-se que eles têm sempre à disposição água limpa e tépida (se estiverem no exterior, tenha o cuidado de evitar que a água fique gelada ou congele). Quando a humidade atmosférica está baixa, os animais, assim como nós, ficam desidratados e com os olhos e a boca secos.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.