Crime

GNR de Armamar apreende 18 aves protegidas em Queimadela

Foram detidos dois homens de 46 e 52 anos de idade por caça de espécies protegidas e utilização de métodos de caça ilegal
Fátima Mariano
Queimadela
Queimadela
As aves apreendidas seriam para vender em feiras da região do Grande Porto (foto: GNR)

A GNR de Armamar deteve no sábado, na freguesia de Queimadela, dois homens pelo crime de caça de espécies protegidas e utilização de métodos de caça ilegal (chamarizes ilegais e electrónicos). Foram-lhes apreendidos 13 pintassilgos (Cardeulis cardeulis), quatro pintarossos (Carduelis canabina) e um chamariz (Serinus serinus).

Os dois indivíduos, de 46 e 52 anos de idade, foram presentes esta segunda-feira ao Tribunal Judicial de Lamego, não sendo conhecidas as medidas de coacção aplicadas. De acordo com a Guarda, os detidos são residentes na área do Grande Porto e um é reincidente nos mesmos crimes. A GNR foi alertada para a situação por uma denúncia.

Ao que tudo indica, as aves seriam vendidas em feiras da área de residência dos dois homens. Após a conclusão do processo judicial, os animais serão encaminhados para as entidades com as quais o Comando Territorial de Viseu da GNR colabora: a UTAD (Universidade de Trás-os-Montes), em Vila Real, e o Cervas – Centro de Ecologia, Recuperação e Vigilância de Animais Selvagens, em Gouveia.

 

Queimadela
Após inspecção higio-sanitária, o pescado foi entregue a instituições de solidariedade social (foto: GNR)
Caça submarina ilegal nos Açores

Entre os dias 28 de Agosto e 1 de Setembro, a GNR da Horta identificou cinco indivíduos por caça submarina ilegal na ilha do Faial. Foram apreendidos 37 quilos de pescado e material de mergulho e elaborados os respectivos autos de contra-ordenação.

Segundo um comunicado da Guarda, os indivíduos foram identificados por se encontrarem a realizar caça submarina em local proibido, captura de espécies proibidas e por excederem o número de exemplares permitidos de pescar.

Após inspecção higio-sanitária, o pescado foi encaminhado para instituições de solidariedade social.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.