Marinha

Cães do Corpo de Fuzileiros já participaram em mais de 107 acções este ano

Os 14 canídeos actuam na área da busca e detecção de estupefacientes e de explosivos. Este domingo, assinala-se o Dia Mundial do Cão
Bichos
Fuzileiros

Fuzileiros
Nucleo de Cinotecnia é composto por sete militares fuzileiros e 14 cães (foto: Marinha Portuguesa)
Fuzileiros
Cadela Emma deu à luz dois machos e duas fêmeas no dia 23 de Agosto (foto: Marinha Portuguesa/Twitter)
Desde o início deste ano, os 14 cães do Núcleo de Cinotecnia do Comando do Corpo de Fuzileiros já participaram em mais de 107 acções, anunciou a Marinha em comunicado no âmbito to Dia Mundial do Cão, que se assinala este domingo.

Juntamente com os sete militares fuzileiros do mesmo núcleo, os canídeos participaram em acções de busca e detecção de estupefacientes e de explosivos e em diversas demonstrações. O núcleo está sedeado na Escola de Fuzileiros, no Barreiro.

De acordo com o mesmo comunicado, Zarco, um golden retriever, é o mais recente membro da equipa, encontrando-se ainda em fase de formação na área da busca de detecção de estupefacientes.

Esta semana, Emma, de raça cão de pastor alemão, deu à luz no dia 23 de Agosto, na Escola de Fuzileiros, dois machos e duas fêmeas, todos com 500 gramas de peso.

 

Cão de guarda

O Núcleo de Cinotecnica da Escola de Fuzileiros foi criada na década de 70. À época, designava-se Centro de Treino e Criação de Cães de Guerra e tinha como missão o treino destes animais para guarda e defesa das instalações.

O centro começou a funcionar com seis exemplares de Cão da Serra da Estrela. Mais tarde, juntaram-se-lhe o Cão de Pastor Alemão e o Cão de Castro Laboreiro e o Cão de Castro Laboreiro. Segundo a Marinha, esta última raça foi adoptada numa tentativa de travar a sua extinção, uma vez que nos anos 70 era considerada a mais rara do mundo.

A secção de cinotécnica dos Fuzileiros foi inscrita no Clube Português de Canicultura em 1977, o que lhe tem permitido participar em exposições caninas.

Os binómios com formação na área de busca e detenção de estupefacientes surgiram em 1996; os de busca e detecção de engenhos explosivos em 2003.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.