Protecção

Aquário de Paris recebe cada vez mais peixes vermelhos abandonados pelos donos

Em apenas dois anos, foram entregues 600 animais só durante os meses de verão. Animais são colocados em quarentena e tratados com antibiótico e antiparasitas antes de se juntarem aos outros
Bichos
Aquário
Aquário
Os peixes vermelhos são animais gregários, podem viver 30 anos e medir até 30 centímetros (foto: Hans/Pixabay)

O Aquário de Paris, situado no Trocadero, acolhe cada vez mais peixes vermelhos (Carassius auratus) que os donos abandonam durante o verão. Segundo a imprensa francesa, desde 2016, ano em que se transformou num abrigo para estes animais, este equipamento já recebeu 600 peixes vermelhos. «Alguns chegam fracos. O transporte e a mudança de vida causam stress», diz à AFP a aquariofilista Céline Bezault, acrescentando que uma pequena parte acaba por não resistir.

No dia em que a AFP realizou a reportagem, Alexandre, de 32 anos de idade, foi lá deixar Nemo, o peixe vermelho de um amigo que tinha ido de férias. «Ele vivia num pequeno aquário, penso que ficará melhor aqui. É melhor do que deitá-lo pelo lava-loiças abaixo», explica.

Os motivos são os mais variados: desde o não quererem cuidar mais dos peixes vermelhos, a mudanças de casa ou vontade de dar melhores condições de vida às suas mascotes. Segundo a AFP, alguns donos deixam os animais no aquário com lágrimas nos olhos, revelando que a separação não será fácil.

 

Não aos aquários redondos

Todos os peixes entregues são colocados em quarentena durante mais de um mês antes de se juntarem aos que já vivem no Aquário de Paris: 7500 de várias espécies e 2500 medusas. Por precaução, são tratados com antibiótico e antiparasitas. Os que sobrevivem à mudança, são colocados num aquário onde possam ser vistos pelos visitantes.

Os peixes vermelhos são animais gregários, podem viver 30 anos e medir até 30 centímetros. Estas são duas informações que quem pretende comprar um deve ter presente antes de o levar para casa.

Os especialistas desaconselham a colocá-los nos tradicionais aquários redondos, que além de lhes causar stress, os impede de crescer. É preferível optar por um lago no jardim com capacidade para 50 a 100 litros de água, onde possam crescer normalmente e nadar em grupo. Esta deve ser filtrada, respeitar o ciclo do azoto, ser rica em bactérias e ser mantida a cerca de 20º de temperatura.

 

Bem-estar animal

Por detrás de toda este problema está também a questão do bem-estar animal. «Acho que há uma consciência geral de que os maus-tratos a animais é um problema real», afirma à AFP Alexis Powilewicz, o director do Aquário de Paris. Para ele, ter um peixe de ornamento em más condições de alojamento é uma forma de mau-trato.

De acordo com os responsáveis do Aquário, a legislação de alguns países europeus proíbe que os peixes vermelhos vivam em pequenos aquários. «Para um peixe viver em boas condições, são precisas quatro coisas: pelo menos 100 litros de água, não estarem sozinhos, um sistema de filtro e decoração no aquário», explica Morgan Percher, um dos colaboradores do Aquário de Paris.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.