Limpeza

Corvos recolhem o lixo deitado ao chão pelos visitantes de parque temático francês

Os seis animais trabalham duas horas por dia, quatro dias por semana, sempre vigiados. Como recompensa pelo trabalho, recebem um biscoito
Bichos
corvos

Seis corvos (Corvus) foram treinados para recolherem o lixo deitado ao chão pelos visitantes do parque temático Puy du Fou, no oeste de França. Em troca, recebem comida. Os novos “empregados” – Boubou, Bamboo, Bill, Black, Bricole e Baco – começaram a trabalhar esta segunda-feira.

Em declarações à AFP, o presidente do parque explicou que as aves não estão a ser utilizadas apenas para limparem o espaço, uma vez que “os visitantes são geralmente limpos”, mas também para transmitir uma mensagem pedagógica. Desta forma, é mostrado que “a própria natureza nos ensina a prestar atenção ao meio ambiente”.

Nicolas de Villiers explicou que a ideia partiu de um dos falcoeiros do parque, Christophe Gaborit, ao observar como estas aves gostavam de interagir com as pessoas e de recolher lixo do chão, que utilizavam para construir os seus ninhos. Num dos espectáculos de falcoaria, tinham já sido treinados alguns para pegarem em rosas e as levarem a uma “princesa” num castelo.

 

Uma espécie de jogo

Na sequência desta experiência, Christophe Gaborit começou a treinar alguns corvos para desempenharem uma tarefa semelhante. No entanto, em vez de pegarem em rosas, agarram em pedaços de papéis e beatas de cigarros e largam-nas numa pequena caixa. Ao fim de três a seis meses de treino, dependendo de cada ave, estavam prontas a entrarem ao serviço.

A espécie seleccionada é “particularmente inteligente”. “Quando está numa atmosfera afectiva positiva, gosta de comunicar com o ser humano e de estabelecer uma relação com ele através de brincadeiras”, acrescentou o mesmo responsável.

Isto “tornou-se uma espécie de jogo para eles. Pegam os papéis do chão e são recompensados”, afirma o director do parque. As caixas de madeira têm duas secções: uma funciona como depósito do lixo; a outra, para que a ave recolha o seu pagamento: um biscoito.

 

Corvos sempre vigiados

Segundo a National Public Radio, os corvos trabalham duas horas por dia, quatro dias por semana, sempre supervisionados por um falcoeiro para evitar que os visitantes deitem lixo de propósito ao chão só para as verem trabalhar. Contudo, apesar da vigilância, as aves voam livremente.

Nicolas de Villiers recorda que o parque temático Puy du Fou tem licença para deter e treinar falcões e outras aves e que ninguém deve tentar ensinar corvos selvagens sozinho. A ideia, de acordo com este responsável, é manter esta iniciativa “até que não seja mais necessária”.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.