Cães na Dinamarca

Roberto Barata
cão

cão

Sou da opinião que Portugal deve pesquisar as leis e culturas de outros países sobre o bem-estar animal e a sua implementação prática, adaptando-as à realidade portuguesa e não somente copiá-las sem ter em conta a realidade social. Tenho sido bastante questionado sobre os cães na Dinamarca. Vou deixar-vos alguns tópicos, tanto do lado cultural como legislativo, da realidade diária que presencio. Não pretendo dizer que é melhor ou pior, mas sim diferente e alguns dos tópicos deveriam trazer reflexões importantes para Portugal:

 

– Existem cerca de 550.000 cães numa população de 5600 milhões de pessoas;

 

– Todos devem ser registados e ter chip. O registo tem o valor de aproximadamente 17 euros.

 

 Também devem ter na coleira uma chapa com o nome e morada do detentor. Este necessita de ter um seguro para o cão e é responsável por qualquer dano que o mesmo faça;

 

– Os cães não podem ladrar ou uivar excessivamente em público. Se estiverem em casa a ladrar todo o dia, os vizinhos falam primeiro com o detentor. Se a situação não se resolver, a Kommune (Junta de freguesia) é avisada e enviará um fiscal ao local. O detentor arrisca uma multa pesada, entre outras penalizações, e até pode ficar sem o cão. Ao contrário do que acontece em Portugal, é que esta responsabilidade passa pelas Kommune e não pelas forças policiais.

 

– Os cães devem andar sempre com trela e só podem ser soltos em espaços que têm a devida sinalização;

 

– Existem 13 raças proibidas (sim, proibidas): Pitt Bull Terrier, Tosa Inu, American Staffordshire Terrier, Fila Brasileiro, Dogo Argentino, Buldogue Americano, Boerboel Kangal, Pastor-da-Ásia Central, Pastor-do-Cáucaso, Pastor-da-Rússia-meridional, Tornjak, Pastor jugoslavo. Diferentemente de Portugal, o Rottweiller não está na lista.

 

– As coleiras de choques estão banidas (também na Suécia, Noruega e Suíça). O mesmo se aplica às coleiras de picos.

 

– As pessoas andam sempre com o saco de recolha dos dejetos, caso contrário, alguns jardins têm lugares específicos que os fornecem gratuitamente (alguns até luvas disponibilizam);

 

– Existe uma abundância de parques para cães. Contudo, há jardins onde é proibida a circulação de cães mesmo com trela e não vejo muitos espaços comerciais que autorizem a entrada de cães;

 

– As pessoas sentem necessidade de procurarem aconselhamento de treino para os seus cães, reparo numa preocupação constante em relação ao seu bem-estar. Uma curiosidade em relação a Portugal: mesmo com taxas de registo mais caras e a impossibilidade de fugir às declarações de rendimentos, por muito menores que sejam, devido ao rígido sistema governativo, os valores dos treinos na Dinamarca conseguem ser, no geral, mais baratos do que os praticados em Portugal;

 

– O número de cães abandonados é baixíssimo (nunca vi nenhum cão abandonado na rua) e os que possam estar no canil para adopção não esperam mais do que 15 dias (média geral) até terem um novo lar. A política para adopção é exigente e carece de aprovação. O novo detentor paga cerca de 350 euros pela adoção. Se uma pessoa for entregar ao canil o seu cão, também paga uma taxa e fica com essa anotação no seu registo, dificultando uma adopção futura. Existem cerca de nove canis públicos para adopção na Dinamarca que seguem ao máximo a política de não-abate e têm empregues profissionais formados em comportamento e treino animal, assim como responsáveis para a triagem e acompanhamento das adopções.

 

Roberto Barata é formado em etologia aplicada e antrozoologia. É tutor no Ethology Institute Cambidge, faz serviço independente de assessoria científica, mentoring e coaching. Vive na Dinamarca, onde efectua pesquisas e estudos nas suas áreas de formação e coopera com o Etologisk Institute na realização de formações personalizadas a profissionais da área animal, a detentores de animais de companhia e na modificação comportamental de cães, gatos e cavalos, maioritariamente. Escreve no terceiro sábado de cada mês e pode ser contactado através do seguinte endereço electrónico: reb@ethology.eu

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.