Canadá

Abrigo do Quebec trata animais feridos e doentes com óleo de canábis

Há também cada vez mais donos de cães e gatos a administrarem-lhe marijuana. Médicos veterinários alertam que a ingestão desta droga pode intoxicar os animais e pedem regulação urgente
Bichos
No Canadá, há empresas que vendem biscoitos para cães que contém substâncias canabinóides (Foto: Pixabay)

A associação Nymous, localizada em Sainte-Béatriz, na província do Quebec, trata alguns dos seus animais feridos ou doentes com óleo de canábis. Ainda no Canadá, há também cada vez mais donos de cães e gatos a administrarem-lhes marijuana para combater a ansiedade e as convulsões e ajudar a aliviar a dor. Os médicos veterinários estão preocupados com esta nova tendência e lembram que a ingestão desta substância pode ter consequências graves na saúde do animal.

No centro-refúgio Nymous, Gaby, um gambá (Didelphinae), e Lou, uma fêmea de guaxinim (Procyon lotor), são dois dos animais que estão a ser tratados com óleo de canábis. Gaby tem as patas traseiras paralisadas e parte do seu cérebro atrofiou; Lou sofre de espasmos, devido a uma crise de hipotermia.

Em declarações à rádio CBC, Jacques Lessard, co-fundador deste centro, referiu que Gaby parou de tremer quase de imediato e a sua coordenação motora também melhorou. No caso de Lou, a canábis reduziu a intensidade das convulsões. O mesmo responsável explicou que a ideia de utilizar esta droga, que começou há cerca de três meses, surgiu depois de ter feito algumas pesquisas na Internet e de ter falado com alguns médicos veterinários. A substância é administrada oralmente, com a ajuda de uma seringa, ou misturada com a comida.

A presidente da Ordem dos Veterinários do Quebec, Caroline Kilsdonk, contudo, mostra-se cautelosa. Recorda que os estudos quanto ao uso terapêutico da canábis ainda não são conclusivos e, por isso, a Ordem não recomenda aos médicos veterinários que prescrevam produtos à base de canábis.

Sublinhando que há uma diferença entre o canabidiol (CBD) e o tetrahydrocannabiol (THC), duas substâncias químicas presentes na canábis, Shantal Arroyo, fundadora e directora clínica da Clínica Montreal, disse à mesma rádio que só prescreve produtos à base de CBD e não mais do que 10 miligramas por quilo. «Ao contrário do THC, o CBD não tem efeitos psicoactivos», sublinha.

 

 

Animais podem ficar gravemente doentes

A canábis para fins recreativos vai ser legalizada no Canadá em Outubro. Os médicos veterinários consideram que esta era uma boa oportunidade para ser regulada a administração desta droga aos animais, apenas quando justificado do ponto de vista clínico.

A Associação Canadiana de Médicos Veterinários (CAVM, na sigla em inglês) e um grupo designado Associação Canadiana de Medicina Veterinária Canabinóide uniram-se para pressionar o Ministério da Saúde a autorizar o uso de CBD como um produto veterinário. «Dentro de alguns anos, veremos alguns medicamentos de uso veterinário compostos de canábis ou parte da canábis», refere ao jornal Global News Enid Stiles, médica veterinária e membro executivo da CAVM, sublinhando, no entanto, que a administração da substância tem que ser controlada.

Embora a administração de canábis aos animais é tecnicamente ilegal no Canadá, muitos donos fazem-no. Há empresas que vendem guloseimas que contém CBD. Joey Silenzi, um dos gerentes da empresa Pacifico Life, diz que estes produtos voam das prateleiras.

O médico veterinário Adrian Walton contou ao mesmo jornal que uma ou duas vezes por mês trata um cão que ingeriu marijuana. Muitas vezes, queixa-se, os donos não são totalmente sinceros com os médicos veterinários, o que pode atrasar o tratamento e ter graves consequências para a saúde do animal.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.