EUA

Balto, o husky siberiano que salvou uma cidade do Alasca da difteria

Em 1925, a cidade de Nome foi atingida por uma epidemia de difteria. Sem vacinas, a única solução foi ir buscá-las a Anchorage, a mais de 800 quilómetros de distância, sob temperaturas negativas e ventos fortes
Bichos
Balto e do dono, Gunner Kaassen

Em Janeiro de 1925, cidade de Nome, no estado americano do Alasca, foi atingida por uma epidemia de difteria, uma doença infecto-contagiosa que pode causar a morte, principalmente nas crianças. A vacina disponível mais próxima estava em Anchorage, a cerca de 865 quilómetros de distância, mas devido às condições atmosféricas adversas (as temperaturas rondavam os 40 graus negativos), não era possível ir buscá-la por transporte marítimo ou aéreo.

A solução encontrada foi enviar, no dia 27 de Janeiro, 20 habitantes e 100 cães de trenó até Anchorage para recolher as vacinas. No entanto, só foi possível transportá-las até à cidade Nenana, que apesar de mais próxima ainda ficava a cerca de 777 quilómetros de distância. Alguns dos guias e cães acabaram por morrer durante a viagem, realizada com ventos muito fortes, caminhos gelados e zonas montanhosas de difícil acesso.

Embora os pormenores sobre a viagem de regresso não estejam esclarecidos, sabe-se que o último grupo de cães, liderado por Gunner Kaassen, conseguiu regressar a Nome com as vacinas graças a Balto, um cão de raça husky siberiano, com dois anos de idade. Devido ao mau tempo, Gunner Kaassen não conseguia ver o caminho, mas Balto conseguiu conduzir o dono e os outros cães de volta à cidade. A viagem de ida e volta demorou em apenas cinco dias e meio e sete horas, um autêntico recorde, tendo esta última equipa chegado no dia 2 de Fevereiro de 1925.

Graças ao feito de Balto, foi possível salvar a cidade da epidemia. Poucos dias depois de as vacinas terem chegado, a doença foi dada como controlada. Dos 1429 habitantes, apenas cinco morreram vítimas da difteria.

No dia 17 de Dezembro do mesmo ano, foi inaugurada em Central Park, em Nova Iorque, uma estátua dedicada a todos os cães que se esforçaram por levar a vacina anti-difteria a Nome.

Balto e outros cães acabaram por ser vendidos ao Jardim Zoológico de Cleveland, no Ohio. Morreu em 14 de Março de 1933, como 14 anos de idade. O seu corpo foi embalsamado e pode ser visto no Museu de História Natural de Cleveland. Em sua homenagem, todos os anos, no mês de Março, realiza-se uma corrida de cães de trenó entre Anchorage e a cidade de Nome.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.