Debate

Número de adopções de cães no Centro de Recolha Oficial de Setúbal aumentou em 2017

Novo canil/gatil do município terá o dobro da capacidade de alojamento e espaço para animais de grande porte. Cidade acolheu esta quarta-feira as Jornadas de Direito Animal
Fátima Mariano
Setúbal acolheu esta quarta-feira as Jornadas de Direito Animal (Foto: Fátima Mariano)

O número de cães e gatos que deram entrada no Centro de Recolha Oficial de Animais de Companhia (CROAC) do município de Setúbal aumentou entre 2016 e 2017, mas o número de saídas também cresceu. A informação foi prestada esta quarta-feira por António José Félix, médico veterinário ao serviço da Câmara local, durante as Jornadas de Direito Animal realizadas no auditório do Mercado do Livramento e organizadas pelo ONDAID – Observatório Nacional para a Defesa dos Animais e Interesses Difusos.

O CROAC, localizado junto ao Parque Municipal de Poçoilos, tem capacidade para até 40 cães e seis gatos. O novo CROAC, que está já em fase de projecto, terá o dobro da capacidade de alojamento e espaço para acolher animais de grande porte, nomeadamente, cavalos, cabras e ovelhas.

De acordo com José Félix, em 2016, deram entrada no CROAC 127 cães e 69 gatos; no ano seguinte, o número foi de 195 e 258, respectivamente. No caso dos cães, esse aumento ficou a dever-se aos chamados “falsos abandonos”, ou seja, a animais que se perderam dos donos. Quanto aos gatos, o crescimento resulta da introdução do programa CED (Capturar – Esterilizar – Devolver) em Setúbal.

No entanto, no mesmo período, o número de animais saídos do CROAC também aumentou: em 2016, saíram 135 cães e 60 gatos; no ano passado, 194 canídeos e 248 felídeos. No primeiro caso, a causa está no aumento de adopções, tanto por parte de particulares, como de associações. Em relação aos gatos, a diminuição resultou da sua devolução às colónias no âmbito do programa CED.

 

Denúncias
Nas Jornadas, foram também apresentados números relativos às denúncias apresentadas na GNR por alegados crimes de maus-tratos e abandono de animais. Entre 1 de Outubro de 2014 e 31 de Maio deste ano, o Comando Territorial de Setúbal da GNR (que abrange 13 municípios) recebeu 322 denúncias por alegados maus-tratos e 219 por alegado abandono, tendo estes 538 já resultado em duas condenados de prisão, com pena suspensa.

Neste período, foram efectuadas quatro detenções em flagrante delito, identificados 250 suspeitos e cumpridos 15 mandados de busca, adiantou o tenente-coronel Silva Vieira, chefe da Secção SEPNA daquele Comando. Foram apreendidos 820 cães, 163 gatos e 45 animais de outras espécies. A maioria (176) foi encaminhada para o CROAC, 138 continuaram com os donos (que foram constituídos fiéis depositários), 136 recolhidos por associações zoófilas e 88 para outras entidades/particulares.

Segundo o tenente-coronel Silva Vieira, estes resultados são o fruto “de um trabalho conjunto” desenvolvido com o Ministério Público, os municípios, as uniões zoófilas e os cidadãos. “Se trabalhássemos de costas voltadas, não teríamos os mesmos resultados”, sublinhou, lembrando que a melhor forma de denunciar este tipo de crimes é contactar directamente os órgãos de polícia criminal “As redes sociais, usadas neste vertente, são más”, frisou.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.