Diversidade

Conheça as quatro espécies de borboletas estudadas em Marrocos pelos investigadores portugueses

Três cientistas percorreram 3000 quilómetros no âmbito de um projecto de doutoramento que tem como objectivo o estudo das populações de quatro espécies de borboletas no mediterrâneo ocidental
Bichos

1 – Borboleta-carnaval (Zerynthia rumina)

Tem este nome por o seu período de voo coincidir com a época carnavalesca e apresentar um padrão de cores muito diversificado (fundo amarelo-claro com manchas vermelhas e pretas). Pode medir até 4,6 centímetros de envergadura, sendo a fêmea maior do que o macho. Procria apenas uma vez por ano. Pode viver em locais até aos 1800 metros de altitude acima do nível do mar. É uma espécie mediterrânica, distribuindo-se por uma área que vai do sul de França ao norte de África. Os investigadores portugueses viram apenas um exemplar durante esta expedição em Marrocos.

 

2 – Fritilária-comum (Melitaea deione)

Trata-se de uma espécie comum em Portugal, mas em Marrocos é muito rara. Os três jovens cientistas não avistaram nenhuma. Procria duas vezes por ano, excepto nos Alpes italianos, onde é apenas uma vez. A envergadura de asa varia entre os 3,2 e os 4,2 centímetros. Voa entre Maio e Setembro, principalmente em espaços abertos.

 

3 – Melanargia occitanica

Também não foi avistada pelos investigadores portugueses. Eduardo Marabuto refere que nas várias viagens que já realizou a Marrocos, nunca viu nenhuma. Esta espécie voa entre Abril e Junho na Europa e entre Maio e Junho em África. As asas, cuja envergadura varia entre os 4 e os 4,8 centímetros, têm fundo branco e manchas negras. Procria apenas uma vez por ano. Pode ser encontrada até 1200 metros acima do nível do mar. É uma espécie ameaçada em Marrocos, devido à mudança nas práticas agrícolas.

 

4 – Melanargia ines

Procria uma vez por ano. O seu período de voo estende-se de Maio a Junho. Esta espécie pode ser encontrada em áreas rochosas onde exista erva seca, até aos 1500 metros de altitude. A equipa de investigadores portugueses conseguiu capturar vários exemplares e assim seguir em frente com o estudo desta espécie. Foi descrita em 1804 por Johann Hoffmannsegg, um botânico, entomólogo e ornitólogo alemão, a partir de um exemplar apanhado em Portugal.

Leia aqui o artigo sobre a expedição a Marrocos.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.