Causa

Associação Pata D’Açúcar já treinou três cães para detectarem baixas de glicemia

Organização sem fins lucrativos foi fundada em Dezembro de 2016 e conta já com 32 sócios. Os animais treinados são resgatados de canis
Fátima Mariano
A associação Pata D’Açúcar é a única, em Portugal, que treina cães para detectarem a baixa de glicemia em pessoas portadoras de diabetes tipo 1

Desde que foi fundada, em Dezembro de 2016, a Associação Pata D’Açúcar – Medical Dogs for Diabetics já entregou três cães treinados para detectarem crises de hipoglicemia em pessoas portadoras de diabetes tipo 1.

Como a Gift, que várias vezes acompanha o agente Bruno Silva à esquadra da PSP de São Marcos (Cacém, Sintra), onde ele trabalha. Neste momento, estão em treino mais seis animais, um dos quais será entregue a um menino de seis anos.

Esta é a única associação em Portugal que prepara cães para esta função, extremamente importante e que pode salvar vidas.

A queda abrupta dos índices de glicemia pode colocar o doente em coma ou mesmo causar a morte. Há doentes assintomáticos ou que só sentem os sinais da hipoglicemia quando a crise já está num estado muito avançado.

Durante a noite, os riscos são ainda mais elevados, porque o doente está a dormir. Já para não falar nas crianças.

A ideia de criar a Pata D’Açúcar partiu de José Antunes, actual vice-presidente, depois de ter estado em coma, devido a uma crise de glicemia.

José lançou o desafio ao treinador Nuno Benedito, actual presidente, e com o apoio de outras pessoas que se foram juntando, o projecto ganhou forma. Neste momento, têm já 32 associados.

Os animais treinados pela associação, no âmbito do projecto, são resgatados em canis. A associação treina também cães que já pertençam a pessoas portadoras de diabetes tipo 1.

Os treinos, feitos por Nuno Benedito, prolongam-se por um ano, «embora ao fim de seis ou oito meses, já se conseguem ver bons resultados», explica o presidente da Pata D’Açúcar.

 

Candidaturas abertas

Neste momento, estão a ser treinados seis cães: dois no âmbito do projecto Pata D’Açúcar (a Retina e a Easy) e quatro de particulares.

Neste último caso, são os particulares que asseguram todas as despesas durante o período de treino (alojamento, deslocações, alimentação, cuidados médicos-veterinários, etc). No primeiro, as despesas são suportadas pela associação com o apoio de entidades parceiras.

Todos os anos, a associação abre um período de candidaturas para a entrega de dois cães de assistência médica. Na próxima semana, vai ser aberto mais uma fase de candidaturas.

Os candidatos têm que ser portadores de diabetes tipo 1 e sócios da Pata D’Açúcar. Os animais, que são registados em nome da associação, são cedidos gratuitamente em regime de tutela por tempo indefinido, ficando o tutor responsável pela sua alimentação e cuidados médico-veterinários.