Cãopanheirismo

Se for à esquadra da PSP de São Marcos, não estranhe se vir lá uma cadela

Gift, uma arraçada de Cão de Pastor Alemão com Cão de Pastor Belga, acompanha várias vezes o agente Bruno Silva no trabalho. Cadela está treinada para detectar hipoglicemias em pessoas portadoras de diabetes tipo 1
Fátima Mariano
Gift e Bruno Silva
Cão
Cão
Cão
Cão

(Fotos: Fátima Mariano)

Mal entramos na esquadra da PSP de São Marcos, no Cacém (concelho de Sintra), somos recebidos com um vigoroso abanar de cauda e umas quantas lambidelas, como se o amanhã não existisse.

Quem nos dá as boas-vindas desta forma efusiva é Gift, uma cadela com 18 meses de idade, cruzada de Cão de Pastor Alemão com Cão de Pastor Belga, que várias vezes por semana acompanha o tutor, o agente Bruno Filipe Silva, durante o horário de trabalho.

Gift é um dos cães treinados pela Associação Pata D’Açúcar – Medical Dogs for Diabetics para detectar situações de hipoglicemia (quebra abrupta dos níveis de açúcar no sangue, que pode causar a morte) em pessoas portadoras de diabetes tipo 1.

Apesar do seu porte, passa praticamente despercebida na rotina da esquadra. «Só quando entra alguém com um animal é que ela ladra», conta o tutor.

Bruno Filipe Silva, 34 anos de idade, descobriu que era portador de diabetes tipo 1 durante o curso de formação de agentes da PSP, há cerca de 13 anos.

«Emagreci muito e de repente, sentia-me cansado e com muita vontade de beber refrigerantes. Os meus familiares aconselharam-me a fazer os exames de despiste da diabetes e assim fiz», recorda ao jornal Os Bichos na esquadra onde trabalha há oito anos, enquanto Gift, mais calma, fecha os olhos como que a querer dormir.

Os resultados dos exames médicos chegaram pouco tempo depois. «Foi um choque porque comecei a ver a minha vida a andar para trás. Aos 21 anos de idade, pensamos que somos imortais», diz.

A partir de então, a vida de Bruno Silva alterou-se: «Tive que começar a controlar os índices de glicemia e a administrar insulina. Ao nível alimentar, mudei bastante. Não era muito de comer sopa e agora não a dispenso. Também não era muito amigo de peixe… Demorei bastante tempo até conseguir controlar a diabetes».

A doença nunca o impediu de ter uma vida normal. Com o apoio da família e dos colegas das esquadras por onde passou, conseguiu ter sempre os horários das refeições controlados e aos primeiros sintomas de hipoglicemia, atacar logo. Apesar disso, confessa, nunca foi um «diabético exemplar».

 

Uma Gift para a vida

No ano passado, a vida de Bruno e da mulher melhorou com a chegada de Gift («Presente», em português). Através de Nuno Benedito, a quem pediram para treinar Sushi, o Braco Alemão da família que não socializava com pessoas ou animais, conheceram a Associação Pata d’Açúcar, da qual ele é presidente.

«Oferecemo-nos para ficar com ela durante algumas semanas, na fase em que ela precisava de aprender a socializar. Fiquei logo derretido», confessa Bruno Silva, enquanto troca olhares de cumplicidade com Gift, que deve o nome aos padrinhos, o grupo musical português The Gift.

Quando abriu a fase de candidaturas à tutela de um cão de assistência médica, Bruno Silva não hesitou e inscreveu-se. Estão juntos desde Dezembro.

«Em casa, já me detectou várias situações de hipoglicemia. Nessas alturas, bate-me com a pata e lambe-me as mãos. Foi o método que ela escolheu sozinha para me alertar», conta.

Também na esquadra, Gift já marcou várias baixas de glicemia. «Um dia, estava quase a terminar o registo de uma queixa quando comecei a ter sintomas de hipoglicemia. Como eram ligeiros e estava quase a terminar, não queria parar. Mas tive que o fazer porque ela começou a bater-me insistentemente com a pata», recorda.

Normalmente, Gift acompanha o dono no trabalho quando ele faz os turnos da manhã ou da tarde. Bruno Silva teve que pedir autorização à PSP para que ela possa estar na esquadra.

«Ninguém me colocou entraves. O comandante da esquadra foi muito sensível à questão e foi o primeiro a dizer para ela vir», sublinha. «Ao princípio, as pessoas que eu atendia perguntavam-me se ela tinha sido abandonada. Agora, todas se derretem com ela.»