Monitorização

Abrigo artificial de Alqueva tem 6000 morcegos cavernícolas de quatro espécies

Estrutura foi construída em 1995 para minimizar o impacte da construção da barragem nestes animais. Número cresceu em comparação com o ano passado
Bichos
Em Portugal continental vivem 24 das cerca de 30 espécies de morcegos que existem na Europa (Foto: EDIA)

O abrigo artificial de Alqueva, construído em 1995, alberga actualmente cerca de 6000 morcegos cavernícolas de quatro espécies, cujo estatuto de conservação é considerado preocupante, revelou a EDIA – Empresa de Desenvolvimento e Infra-Estruturas do Alqueva, S.A. em comunicado. O número aumentou significativamente em relação ao ano passado.

Os trabalhos de monitorização realizados em Maio, da responsabilidade do ICNF – Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas e executados no âmbito do Plano Nacional de Morcegos Cavernícolas, demonstraram que naquele abrigo vivem 4840 morcegos-de-peluche (Miniopterus schreibersii), 886 morcegos-rato-grande (Myotis myoti) (a maior espécie de morcego cavernícola existente em Portugal), um morcego-de-ferradura-grande (Rhinolophus ferrumequinum) – estas três espécies são consideradas vulneráveis pelo Livro Vermelho dos Vertebrados de Portugal – e 200 morcegos-de-ferradura-mourisco (Rhinolophus mehelyi), considerado criticamente em perigo.

Este abrigo artificial, recriado em rocha natural, foi construído em 1995 para minimizar o impacte da barragem de Alqueva na colónia de morcegos existente na zona, na altura com poucas centenas de indivíduos de cinco espécies.

Em Portugal continental vivem 24 das cerca de 30 espécies de morcegos existentes na Europa, representando 30% dos mamíferos terrestres do país. Cerca de metade utiliza abrigos subterrâneos uma parte do ano, pelo que a sua manutenção é importante para a sua sobrevivência. A destruição ou perturbação dos abrigos e a utilização de pesticidas são as principais ameaçadas aos morcegos cavernícolas.

Os morcegos são muito importantes para o equilíbrio ecológico, principalmente no que respeita ao controlo das populações de insectos. Em apenas alguns minutos de voo chegam a ingerir cerca de 200 destes animais.

Há morcegos polinizadores, responsáveis pela reprodução de mais de 500 espécies de plantas, uma vez que à semelhança do que fazem as abelhas e outros insectos durante o dia, transferem grãos de pólen de uma flor para outra. Como estão acordados durante a noite, são ainda mais importantes para a reprodução de flores que só abrem neste período.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.