Reportagem

Foi você quem pediu um furão?

Esta espécie, considerada animal de companhia desde 2010, é cada vez mais popular em Portugal. Um exemplar pode custar entre 150 a 400 euros e tem que estar devidamente registado
Fátima Mariano
Furões como animal de estimação

(Fotos: José Sérgio)

 

No jardim junto à praia fluvial dos Moinhos, em Alcochete, Xenon, Diego, Khal e Arrow divertem-se a brincar uns com os outros e a descobrir novos cheiros e novas sensações. As tutoras, Sara Valadares, Inês Faria e Diana Pinho, vigiam-nos atentamente e espreitam se há algum cão solto pelas redondezas. Quem por ali passa, pára e olha com curiosidade para eles. Algumas pessoas perguntam que bicho é. «São furões», respondem as três associadas do Clube Português do Furão (CPF).

O furão doméstico (Mustela putorius furo) é considerado um animal de companhia em Portugal desde 2010, mas ainda há muito desconhecimento sobre as obrigações legais que implica ter um bicho destes em casa e os cuidados médico-veterinários e de higiene que se deve ter com ele. Ao CPF, fundado em Setembro de 2004 e que conta com cerca de 40 associados, chegam diariamente muitas dúvidas às quais Diana Pinho tenta responder. «Os três principais factores que se devem ter em conta antes de levar um furão para casa é se temos tempo, paciência e dinheiro», esclarece a actual presidente do Clube.

Um furão devidamente registado e bem tratado pode custar entre 150 a 400 euros. O que determina o preço é o tipo de pêlo, a cor da pelagem e a genealogia, explica Diana Pinho. Para registá-lo no Sistema Nacional de Informação e Registo Animal, segundo o Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, é necessário apresentar o número do microchip do furão e dos pais, uma declaração em como ele é de cativeiro e o número de registo da loja ou do criador ao qual foi comprado. Há ainda que pagar os respectivos averbamentos, cujos valores são superiores aos dos cães.

 

Curiosos e brincalhões

Inês Faria, uma das co-fundadoras do CPF e tutora de 12 furões, recorda que o processo de legalização do furão como animal de companhia foi moroso e complexo. Havia muita confusão entre o furão doméstico e o toirão (Mustela putorius), o seu parente selvagem. Mesmo hoje, oito anos decorridos da publicação da lei que o reconhece como animal de companhia, é uma espécie pouco conhecida, embora cada vez mais popular. Devido a esse desconhecimento, começam já a existir animais devolvidos para os quais o CPF tenta ajudar a encontrar uma nova casa.

Tal como os cães, os furões também podem ser ensinados a andar à trela, embora sejam animais muito teimosos e tentem sempre tirar a coleira à qual está presa. Sara Valadares, tutora do Xenon, um furão albino que fará dois anos de idade em Agosto, conta a Os Bichos que ter um animal destes em casa requer uma atenção redobrada quando estão fora da gaiola. «Uma vez, ele escondeu-se dentro do sofá. Procurámos, procurámos, até que o encontrámos. Felizmente, não lhe aconteceu nada», conta.

À semelhança das doninhas, também os furões libertam um cheiro muito característico, sobretudo quando se sentem ameaçados, e nem todas as pessoas estão preparadas para o suportar. A esterilização do animal pode reduzir o odor em cerca de 90%, mas este nunca desaparecerá por completo.

 

Respeitar as horas de sono

Os furões são animais gregários, ou seja, vivem em grupo. Por isso, o CPF aconselha a que os tutores tenham mais do que um animal. Mesmo quando acompanhados por outros membros da sua espécie, são também importantes os momentos de brincadeira com os donos, embora os furões tenham fama de serem «senhores do seu nariz», como os gatos. «Eles precisam de muitos estímulos físicos e mentais», alerta Diana Pinho, que tem cinco machos e quatro fêmeas em casa.

Há, no entanto, que respeitar as suas horas de sono e de vigília. Eles dormem cerca de 20 horas por dia (embora não seguidas), sendo importante que o sono seja no escuro completo. No final da nossa reportagem, Xenon já dormitava nos braços de Sara e os seus três amigos pediam para regressar às gaiolas. Estava na hora do descanso.

 

Veja aqui o vídeo da reportagem.

Leia aqui sobre os cuidados médico-veterinários a ter com os furões e aqui 10 curiosidades sobre esta espécie.

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.