EUA

Felícia, «a furão» trabalhadora

Em 1971, o governo americano «contratou» um furão fêmea de seis meses de idade para limpar os tubos de vácuo de um laboratório de partículas de alta energia em Batavia, perto de Chicago
Bichos
Furão

Fotos: Fermilab

No Verão de 1971, o Fermilab (laboratório especializado em física de partículas de alta energia do Departamento de Energia dos EUA sedeado em Batavia, perto de Chicago) recorreu a um furão fêmea – Felícia de seu nome – para os trabalhos de limpeza das partículas de aço e de pó dos tubos de vácuo durante a construção do Laboratório Meson. A escolha de um furão deveu-se ao facto de se tratar de um animal com um corpo esguio e flexível, muito curioso e cujos instintos de caça o levam a entrar nas mais diversas cavidades.

Felícia foi comprada pelo governo americano a Stan Fredin, um criador de Gaylord, Minnesota, por 35 dólares (cerca de 135,32 euros ao câmbio actual). Tinha seis meses de idade e 38 centímetros de comprimento. Foi treinada para percorrer os vários tubos de vácuo do futuro laboratório, tubos esses que tinham cerca de 30 centímetros de diâmetro, ou seja, pouco maiores eram do que o tamanho da sua cabeça. Na coleira que usava era atada uma corda muito fina, na ponta da qual estava fixado uma espécie de cotonete embebido numa solução química. Ao atravessar o tubo, Felícia procedia à limpeza e desinfecção do mesmo.

Ao The Village Crier, o boletim do Fermilab, Walter Pelczarski, projectista do Laboratório Meson, explicava na altura que os tubos do acelerador nuclear tinham que estar impecavelmente limpos para funcionarem correctamente. Qualquer resíduo, por mais pequeno que fosse, podia interferir com os feixes de energia que iriam ser emitidos e contaminar os resultados finais.

Felícia reformou-se no Outono desse ano, quando o laboratório começou a produzir tubos com mais de 91,5 metros de comprimento, o que excedia a sua capacidade de trabalho. Foi substituída por furão mecânico desenvolvido pelos engenheiros do Fermilab. Acabou por morrer em 9 de Maio de 1972, vítima de doença.

À semelhança de Felícia, outros furões têm sido utilizados em trabalhos similares. A transmissão televisiva do casamento do príncipe Carlos de Inglaterra e Diana Spencer, em 29 de Julho de 1981, foi possível também graças aos serviços de um furão. Atraído por um pedaço de bacon, o animal transportou os diversos cabos através de uma conduta subterrânea apertada e de difícil acesso.

 

Sabia que os EUA celebram o Dia Nacional do Furão?

 

Deixe o seu comentário

Your email address will not be published.